Cerveja e Growth

Autogestão: definindo e atingindo metas com maestria

Quando estava na universidade, eu me achava alguém produtivo. Até que alguns anos depois eu percebi que não era 10% do que poderia ser. Hoje, não sou um super herói da produtividade, mas me viro muito bem. A base de tudo isso é a autogestão.

Produtividade era uma premissa onde os coachs e gurus queriam ganhar dinheiro em cima de pessoas que achavam que não era produtivas. Tudo isso começou com a visão de produtividade que as pessoas tinham.

Nós crescemos olhando para super gênios e pessoas sensacionais, achando que deveríamos nos espelhar nelas para chegar nesse alto nível (e entrar nos vingadores logo após).

Mas, na verdade, para a maioria das pessoas não é assim que funciona. Boa parte das pessoas “normais” não será um Leonardo da Vinci ou um Steve Jobs.

Essas pessoas, desde cedo foram estimuladas em cima de coisas que elas já tinham aptidão natural e, algumas delas tinham várias dessas aptidões, sendo extremamente mais fácil se tornar um gênio em várias áreas.

Não é assim para a maioria das pessoas, inclusive eu.

Então, nós crescemos querendo ser bom em tudo e ao mesmo tempo. Portanto, quando ficamos velhinhos e no fim da vida, paramos e vemos que fomos medianos na maioria das coisas a vida inteira.

E esse generalismo se explica pelo que gastamos nossa vida: tentando ser bom em tudo.

Antes de mais nada, é necessário aceitar que durante nossa pequena passagem na terra, como humanos ordinários, só seremos bons (bons mesmo) em, no máximo, 3 coisas.

E isso é mais do que necessário para chegar onde você quer, seja lá o que for: dinheiro, o corpo dos sonhos ou qualquer outro objeto de desejo.

Sabendo que será ótimo em poucas coisas, agora você deve entender como gerenciar e atingir metas dentro do que você criou.

Como metas devem ser

Boas metas tem normalmente essas 3 características:

  1. São específicas
  2. Com prazo
  3. São possíveis, mas desafiadoras

Imagine que você começa a correr na rua e sua média é de 2km em 15 minutos. Você cria uma meta que dentro de 1 mês, correndo 2x na semana, quer fazer 10 km em 1 hora.

Essa meta tem 2 dos 3 pontos que comentei: é específica e contém prazo.

Mas, em tese, não é possível.

Entendendo os princípios sobre uma meta, está na hora de entender a categorização das metas.

Metas por categoria

Organizar coisas por categoria, ajuda a pensar mais claramente.

Autogestão: metas por categoria

Se você for definir metas sem categorizá-las, pode gerar um problema na hora de prioridade. Além disso, também pode contribuir para prejudicar sua saúde mental.

Por exemplo, se você criar a base das suas metas anuais sobre ganhar dinheiro e esquecer da saúde, isso será um problema no futuro que você não vai querer lidar.

No meu caso, eu separo nas seguintes categorias:

  • Profissional
  • Projetos Paralelos
  • Saúde
  • Financeiro
  • Educação
  • Espiritual

Essas categorias são para colocar duas ou três coisas que quero realizar durante o ano. Não ache que são coisas agressivas. Na categoria saúde, por exemplo, eu sempre coloco a meta de fazer 4 exames de sangue por ano.

Como eu disse anteriormente, eu coloco metas mais arrojadas em duas ou três coisas que precisa de atenção.

Mas, esse foi um modelo que implementei no ano passado (2021).

Nem sempre foi assim.

A evolução da minha autogestão

Durante o período na universidade eu me considerava muito produtivo por simplesmente conseguir estudar todo dia.

Mas, mesmo estudando todo dia eu não conseguia dar conta de todas as tarefas. Nesse caso, ou eu não estudava bem ou estava sobrecarregado.

Considerando que alguns colegas desempenhavam bem melhor que eu e eles também tinham 24h por dia, o problema estava comigo.

evolução

Por isso fui em uma psicóloga de produtividade e ela me passou a minha primeira grade de horários, onde eu separava as disciplinas e estudava nos horários definidos.

Eu consegui vencer minha graduação utilizando esse método, pois tinha muita coisa para estudar, mas depois que comecei trabalhar outro método entrou em vigor.

To do list

Quando eu desisti de trabalhar como engenheiro e decidi que queria fazer algo na internet, eu decidi que estudaria todo dia e também trabalharia em algum projeto até conseguir alguns clientes.

Eu já tinha um projeto, onde produzia conteúdo sobre cervejas artesanais. Então, basicamente estudava tráfego, design e visão estratégica em geral para um dia conseguir vender algo através desse projeto.

Basicamente, meu dia era dividido em alguns pilares e quando tinha algumas demandas específicas eu colocava na lista para fazer.

Eu simplesmente criava uma lista de afazeres no dia e ao final dele, buscava finalizar tudo.

To do list

Esse método parece simples, certo? Mas eu não fazia de qualquer jeito. Eu criava tarefas em torno de pilares que eu queria realizar sempre: estudo, trabalho, exercício e lingua estrangeira.

Então, todas as minhas tarefas eram em torno desses pilares.

Se você quiser testar esse método, segue um passo a passo:

  1. Crie pilares de rotina (coisas que você quer fazer todo dia)
  2. Veja hábitos que irão fazer você colocar esses pilares diariamente (exemplo: estudo = leitura diária)
  3. Todo dia antes de dormir, planeje o próximo dia com uma lista de afazeres
  4. Tente cumprir toda a lista todo dia
  5. Se você cumprir tudo no início do dia, você pode colocar mais coisas
  6. Se, por muitos dias consecutivos, não conseguir cumprir tudo, você está colocando muitas tarefas
  7. Faça um controle de hábitos com base nos pilares

Mas, ainda dá para melhorar

Week List

Depois, percebi que em alguns momentos eu estava meio perdido na hora de saber o que eu tinha que colocar cada dia.

Então eu, além de ter tarefas diárias, eu também teria tarefas semanais.

Assim, meu dia trabalhava em prol do que eu queria fazer na semana.

Por exemplo:

Metas semanais

  • 3 posts no Instagram
  • 1 artigo no blog
  • Reunião com fulano

E com base nessas metas eu construía meus dias.

Isso dá mais direção ao processo, meus dias poderiam ser só “tarefas soltas”, mas agora eu tinha um direcionamento com base em metas de mais tempo.

Mas ainda não era o máximo que podia fazer.

Metas por etapa

Até que vi algumas aulas de uma pessoa que admiro muito no quesito produtividade e vi que ainda não estava onde queria.

Esse exercício que fiz em alongar as metas em uma semana deveria ser feito por outros períodos.

Assim criei metas trimestrais, anuais, para 5, 10 e 20 anos.

Autogestão: Metas por etapa

As metas semanais perseguem as trimestrais, as trimestrais vão em direção às anuais.. E assim por diante.

Mas, não adianta fazer só isso.

Eu também faço o que falei anteriormente: separo em categorias.

Então eu tenho separado todas essas metas por período e por categoria.

Isso facilitou muito minha autogestão, eu consigo ver onde está minhas fraquezas e, posteriormente, meus focos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.